domingo, 17 de março de 2013

Diocese de Crato abriu o Processo de Beatificação da Serva de Deus Benigna Cardoso da Silva!


No último sábado, dia 16, tendo como local o Auditório Monsenhor Rubens Gondim Lóssio, anexo à Catedral de Crato, ocorreu a solenidade de abertura da fase diocesana do Processo de Beatificação da Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva. Trata-se do primeiro processo de beatificação de uma Serva de Deus, no Estado do Ceará.

A solenidade foi presidida pelo bispo diocesano de Crato, Dom Fernando Panico e contou com a presença dos membros do Tribunal que conduzirá o processo de beatificação: Monsenhor Vitaliano Mattioli (Postulador Geral), Monsenhor João Bosco Cartaxo Esmeraldo (Juiz Delegado), Pe. José Vicente Pinto de Alencar da Silva (Promotor de Justiça) e a senhora Terezinha Fernandes Costa (Atuária Notária). Também participaram da mesa, os membros da Comissão Histórica, professores Armando Lopes Rafael, Raimundo Sandro Cidrão e Ypsilon Rodrigues Felix.

Todos eles fizeram o juramento prescrito para os que participam de um Processo de Beatificação, proferindo as palavras com a mão direita sobre os Evangelhos. Na solenidade foi usada uma Bíblia que pertenceu aos quatro últimos bispos de Crato: Dom Francisco, Dom Vicente, Dom Newton e Dom Fernando.

Solenidade Prestigiada

O Auditório Monsenhor Rubens Gondim Lóssio ficou lotado com a presença de sacerdotes, seminaristas, parentes da Serva de Deus, Benigna Cardoso da Silva, de fiéis e algumas autoridades, a exemplo da Prefeita de Santana do Cariri, senhora Daniele Machado; do deputado Sineval Roque; ex-reitor da Urca, Plácido Cidade Nuvens e da ex-deputada Fabíola Alencar. Uma numerosa comitiva de Santana do Cariri também estava na solenidade.

Palavra do Bispo de Crato

Dom Fernando Panico discorreu sobre a importância da Diocese de Crato contar, às vésperas do seu centenário de criação, com uma jovem mártir, nascida em Santana do Cariri, e que caminha para a sua beatificação, primeira etapa da canonização. Lembrou o gesto heroico da menina Benigna que viveu apenas 13 anos e findou sua existência terrena, ferida mortalmente, vítima de uma tentativa de violência sexual, à qual resistiu bravamente, para preservar sua castidade. “Foi uma vida breve, permeada pela amizade com Jesus, vivida em meio à pobreza, orfandade, trabalhos domésticos, gestos simples e solidários. Uma verdadeira santidade leiga, na qual realizou fielmente o projeto e a Palavra do Deus Pai”, disse Dom Fernando.

O bispo de Crato equiparou a coragem da menina Benigna aos atos de heroicidade de outras mulheres que têm seus nomes inscritos na história do Cariri, a exemplo de Bárbara de Alencar primeira mulher a aderir à independência do Brasil, na época da colônia.

Ao fim da cerimônia que foi breve, simples e emocionou a todos os presentes o coral da Paróquia Senhora Santana, de Santana do Cariri, entoou o “Hino à Mártir Benigna”, e a cerimônia foi finalizada com a bênção de Dom Fernando Panico, a todos os presentes.

(Postado por Armando Rafael)

Nenhum comentário:

Postar um comentário