quinta-feira, 31 de maio de 2012

12 mil pessoas fazem caminhada por beatificação de santa popular no CE!

                              Cerca de 12 mil católicos realizaram neste fim de semana em Santana do Cariri, no interior do Ceará, uma caminhada pedindo a beatificação da garota Benigna, de acordo com a organização do evento. Os fiéis andaram por sete quilômetros, desde a casa onde Benigna nasceu até à igreja matriz da cidade, passando por um santuário católico construído em homenagem à garota.

     Benigna é considerada a "heroína da castidade" e foi assassinada há 70 anos, quando um homem tentava estuprá-la. A Diocese do Crato espera a permissão do Vaticano para iniciar o pedido de beatificação de Benigna Cardoso da Silva. Para iniciar o processo, os restos mortais da adolescente foram exumados em abril, lacrados em uma urna e serão levados para a matriz de Nossa Senhora de Santana do Cariri, cidade onde nasceu.
     Há dois anos, o monsenhor Vitaliano Mattioli veio do Vaticano para o interior do Ceará, onde representa a diocese do Crato como postulador da causa de beatificação da jovem Benigna Cardoso que, de acordo com os relatos dos moradores de Santana do Cariri, preferiu ser assassinada a “pecar”.

     Postulador da beatificação, Mattioli explica que o processo para reivindicar a beatificação ainda não começou. “Nós devemos esperar a permissão da casa dos santos, da congregação dos santos no Vaticano. O bispo já enviou a carta e agora nós estamos esperando a resposta. esperamos que vá chegar em pouco tempo”, afirma.
De acordo com ele, quando a resposta chega positiva, é sinal de que para o Vaticano não houve nenhum problema para abrir o processo. “Nós, oficialmente, em uma grande celebração, vamos abrir o processo de beatificação”, disse.

Fonte: G1 Ceará

sábado, 26 de maio de 2012

Marco histórico na região do Cariri- Missa solene de translado e sepultamento dos restos mortais da Jovem Benigna!


Fotos: Ypsilon Félix

Restos mortais de Benigna vão para Igreja Matriz!


Como parte do processo de beatificação da Menina Benigna, seus restos mortais ficarão na Igreja de Santana
Santana do Cariri Os restos mortais da jovem Benigna Cardoso da Silva serão sepultados no final da tarde de hoje, na Paróquia de Senhora Sant´Ana, neste Município. Uma grande romaria, com a previsão de participação de mais de cinco mil pessoas, percorre o Centro da cidade em louvor da "Heroína da castidade". Um processo em prol da beatificação de Benigna foi aberto pela Diocese do Crato, e todos os dados para encaminhamento junto ao Vaticano estão sendo levantados. Um deles envolve a mudança dos restos mortais de Benigna, assassinada a golpes de facão há mais de 70 anos, aos 13 anos de idade, e sepultada no Cemitério São Miguel. O caso de Benigna poderá se tornar o primeiro de beatificação no Ceará.

O martírio vivido por Benigna passou a chamar a atenção, desde a sua morte, quando começaram a acontecer casos de milagres, atribuídos a ela. Em mais de sete décadas depois, se multiplicam os casos e aumentam as romarias na cidade, para conhecer o santuário feito em seu nome. Assassinada de forma bárbara, aos 13 anos, ela é considerada santa pela população e passou a ter a atenção da Igreja Católica e da própria comunidade, que se manifesta em favor da sua beatificação. Benigna foi morta por Raul Alves Ribeiro, um jovem da mesma idade que sentiu por Benigna uma paixão obsessiva e tentou possuí-la à força. Não alcançado o seu objetivo, foi tomado por uma fúria, ao ponto se assassiná-la.

Toda a biografia, casos de milagres relatados, os passos antes de morte e o acontecimento estão em uma biografia de mais de 150 páginas, além de depoimentos de irmãs de criação. "Todo esse material será encaminhado para Vaticano. "Esperamos agora a abertura do processo, e estamos na busca de todos os documentos necessários", diz ele.

Um dos documentos que devem ser anexados ao processo, que tem a frente o monsenhor Vitaliano Mattiolli, postulador da causa de beatificação e representante da Diocese de Crato, é o processo de condenação de Raul. Buscas estão sendo realizadas pra reaver esse material. O monsenhor acompanhou a cerimônia de exumação dos restos mortais de Benigna, juntamente com familiares da menina, além do pároco Paulo Lemos.

Para o sacerdote, esse é um momento de grande importância em prol da beatificação da jovem Benigna Cardoso. Na ocasião, será feito o translado dos restos mortais. A solenidade culminará com a missa, às 17 horas, no pátio da Igreja.

O encaminhamento do processo passou a ser divulgado de forma mais ampla, a partir do primeiro dia deste ano, pela paróquia de Senhora Santana. O compromisso, segundo o padre, iniciou com o processo de divulgação e intensificação da causa, em rezar a oração pela beatificação de Benigna, elaborada pela Diocese de Crato. A oração tem sido rezada em todas as comunidades, conforme pedido do bispo diocesano dom Fernando Panico. "Aos poucos queremos difundí-la em outras paróquias" afirma. Depois disso, a Diocese começou um trabalho, reunindo diversos estudiosos numa comissão, para elaborar um perfil mais completo de Benigna, dentro de seu contexto da época e de sua fama de santidade até os dias de hoje.

Também foi lançado um CD em homenagem a Benigna, contendo pequeno histórico, hinos e a oração. E a grande aceitação do material, conforme a Igreja, aconteceu não apenas no Município, mas em outras localidades. Vários grupos de outras cidades estão sendo organizados para se unirem à população de Santana. Também no mês de abril, a Paróquia deu início a uma série de peregrinações pelas comunidades de Santana, com dois objetos de devoção que pertenceram a Benigna, uma bíblia e um terço. "Alegria, emoção, fervor, meditação, depoimentos de graças alcançadas fizeram parte destes momentos celebrativos que vem aumentando o fervor desta paróquia", diz o padre.

O morador de Santana do Cariri e um dos personagens que tem lutado em prol da beatificação de Benigna, Sandro Cidrão, é também um dos grandes devotos que divulga o drama vivido por Benigna. Sua mãe fez uma promessa para o menino que vivia doente ficar curado. Para ela, uma nova vida nasceu. E justo um dos frutos das graças alcançadas tem sido um dos principais agentes para descrever os milagres da menina. A cura de Cidrão é um dos casos relatado no documento que será encaminhado ao Vaticano.

FIQUE POR DENTRO

Jovem ficou órfã ainda na infância

Benigna Cardoso da Silva nasceu no dia 15 de outubro de 1928, em Santana do Cariri, extremo sul do Ceará, ao sopé da Chapada do Araripe. Filha de José Cardoso da Silva e Thereza Maria da Silva, ficou órfã de pai e mãe muito nova, juntamente com seus três irmãos mais velhos. Benigna, que era a mais nova dos quatro irmãos, foi criada pelas senhoras Rosa e Honorina Sisnando Leite, filhas de Leonor e Cirineu Sisnando, proprietários do Sítio Oiti, próximo ao Povoado de Inhumas. Nesse local, ela passou toda sua infância. Já crescida, depois de frequentar a escola, ajudava nos afazeres domésticos, haja visto que as duas senhoras que a adotaram eram doentes. Rosa era quase cega, e Honorina, asmática. O pote que ela carregava no momento em que foi assassinada está envolto a uma redoma de vidro, com esculturas que retratam o momento em que era morta por Raul Alves, de 13 anos, que foi preso e cumpriu pena.

Mais informações:
Paróquia Senhora Sant´Ana
Rua Padre Cristiano, 304
Santana do Cariri (CE)
Região Sul do Estado
Telefone: (88) 3545.1485

ELIZÂNGELA SANTOS
REPÓRTER

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Urna contendo os restos Mortais de Benigna chega na Matriz de Sra. Sant'Ana!

Foto: Ypsilon Félix

Benigna de Santana do Cariri pode ser beatificada pelo Vaticano!

capelabenigna

por: Raphael Barros

      Os restos mortais de Benigna Cardoso da Silva estão com a diocese do Crato e serão levados à Igreja Matriz de Santana do Cariri no dia 26 de maio, quando haverá uma procissão em prol da beatificação da menina. Benigna foi assassinada de forma bárbara aos 13 anos, no sítio Oiti, próximo ao povoado de Inhumas, em Santana do Cariri, no dia 24 de outubro de 1941. Morreu em defesa da virgindade e se tornou a heroína da castidade; preferiu morrer para não pecar, e não apenas para escapar do agressor Raul Alves Ribeiro (jovem de 16 anos que teve um acesso de loucura e cometeu o crime).

      Desde então, pessoas vêm ao local do martírio e fazem rogativas à alma da menina e alcançam graças. Ela estava sepultada no cemitério São Miguel, em Santana do Cariri, no jazigo da família que a criou. Ela foi adotada, porque ficou órfã muito nova de pai e mãe. O responsável por fazer contato com o Vaticano para pedir a beatificação de Benigna, o padre italiano Vitaliano Mattioli, achou que os restos mortais dela deveriam estar em um local mais digno para a veneração dos fiéis. A Igreja Matriz foi o local escolhido.

      Um dos coordenadores do movimento pró-beatificação, Raimundo Sandro Cidrão, esclarece que a ur-na mortuária sairá da diocese e, quando chegar em Santana, haverá um momento devocional antes de levá-la à Matriz, onde será guardada. Uma missa concelebrada por vários padres irá encerrar o evento, sendo o bispo do Crato, Dom Fernando Panico, o presidente da celebração.

      Dom Fernando acenou positivamente para a questão da beatificação desde 2010, quando celebrou, em Santana, uma missa em homenagem à Benigna. Foi aberta a perspectiva de juntar toda a documentação: a comprovação de que ela existiu, foi martirizada e os relatos de graças. Todos os documentos foram entregues ao bispo, que repassou para o padre Mattioli, que irá encaminhar ao Vaticano em junho deste ano.

O assassino
     
Raul Alves Ribeiro tinha problemas mentais. Foi preso e depois levado a Maracanaú, Região Metropolitana de Fortaleza, para uma casa de recuperação para menores infratores. Um irmão de Benigna queria vingá-la, mas sempre que ficava cara-a-cara com o assassino escutava uma voz dizendo para não matá-lo. Assim, a raiva passou e Raul sobreviveu.
Visitou Santana do Cariri antes de morrer. Veio, foi ao túmulo, confessou que havia mudado de vida, casado, tido filhos: arrependeu-se. Raul relatou para algumas pessoas que foram com ele ao cemitério que, sempre que tinha alguma dificuldade, recorria em oração à Benigna e alcançava graças.

Milagres
      A fama de santidade da menina existe há 70 anos. Se a Igreja reconhecê-la como mártir, só vai ser preciso comprovar um único milagre para quando do processo de canonização. Não vai ser tarefa difícil. Todos os anos, no dia 24 de outubro, data da morte de Benigna, romeiros enchem Santana do Cariri em agradecimento às graças alcançadas.

A mãe de Raimundo Sandro Cidrão, antes de morrer, contou ao filho que quando ele tinha quatro anos, os médicos o desenganaram. Ela recorreu à Benigna e conseguiu curá-lo. Outro caso é o de Francisco Agostinho Pereira, 77, que pensou que precisaria amputar a perna. “Sou devoto de Benigna. Eu sou diabético e estava com uma dor na perna. Pensei que ia ser preciso cortá-la. Rezei e no outro dia estava bom. Não sentia mais nada, graças a Deus e à Benigna”.

Curiosidade
      Não existe uma única foto de Benigna, apenas um desenho feito por Raimundo Sandro Cidrão a partir de relatos de irmãs de criação e de pessoas contemporâneas à menina. “As pessoas que viram e conheceram Benigna dizem que o desenho é muito parecido. Mas eu não sei se está parecido ou não, porque eu não a conheci”, conclui.

 

Fonte: Jornal do Cariri

terça-feira, 1 de maio de 2012

Feita exumação da Menina Benigna!


PROCESSO DE BEATIFICAÇÃO

Clique para Ampliar
Monsenhor Vitaliano Mattiolli (à esquerda), postulador da beatificação acompanhou a exumação dos restos mortais de Benigna
FOTO: YPSILON FÉLIX

Santana do Cariri Mais um passo foi dado em prol do processo pela beatificação da jovem Benigna Cardoso da Silva, com a realização da exumação dos restos mortais pela Diocese de Crato e a Paróquia de Senhora Sant´Ana, na última sexta-feira. Benigna havia sido sepultada no Cemitério São Miguel, em Santana do Cariri, há mais de 70 anos.


O martírio em vida chamou a atenção da população para a menina, assassinada de forma bárbara aos 13 anos. Considerada santa pela população, passou a ter a atenção da Igreja e da própria comunidade, que se manifesta em favor da beatificação. Ela foi morta por Raul Alves Ribeiro, um jovem da mesma idade que sentiu por Benigna uma paixão obsessiva e tentou possuí-la à força.


No próximo dia 26, a partir das 15 horas, acontecerá o traslado dos restos mortais, que estão numa pequena urna de madeira, para a Matriz, após uma romaria e procissão pelas ruas principiais do Município. O evento deverá contar com mais de cinco mil pessoas, de acordo com os organizadores. A programação termina no fim da tarde com o sepultamento na Matriz Senhora Sant´Ana. Depois da tragédia, graças alcançadas por intercessão da jovem passaram a ser anunciadas por moradores do local e de outras regiões.


Um santuário foi construído no Distrito de Inhumas, a 200 metros do local onde a menina foi assassinada a golpes de facão e teve seu pescoço praticamente degolado. Ela tinha ido pegar água no poço, com um pequeno pote na cabeça, para abastecer a residência da fazenda onde morava, e foi surpreendida quando voltava para casa.


O movimento em prol da beatificação da menina martirizada foi iniciado com apoio da Igreja Católica. Ela poderá ser a primeira a receber a beatificação no Estado do Ceará. Para os moradores, a menina morreu na defesa da castidade, resistindo ao assédio de Raul. Por isso, uma virgem mártir da pureza.


Depois da identificação dos restos mortais de Benigna, os ossos foram lacrados em uma urna, que agora estão sob o resguardo da Diocese de Crato até o dia da solenidade oficial de traslado e sepultamento. Os ossos foram retirados do cemitério após autorização judicial e da família. As irmãs de criação da mártir, Terezinha Sisnando e Dulcinéia Sisnando, foram ao local fazer o reconhecimento dos restos mortais, já que era a única criança que havia sido sepultada no jazigo da família.


Também acompanharam a exumação os responsáveis pelos levantamentos que estão sendo feitos para o processo, tendo à frente o monsenhor Vitaliano Mattiolli, postulador da causa de beatificação e representante da Diocese de Crato; o pároco de Santana do Cariri, padre Paulo Lemos Pereira; padre Joaquim Cláudio de Freitas, da Basílica Menor de Nossa Sra. das Dores, em Juazeiro do Norte; o representante da comissão Diocesana, Ypsilon Rodrigues Félix; e da comissão paroquial, Sandra Rodrigues e Marcos Danilo e Geânio Felipe.


A biografia de Benigna e todo o histórico do acontecimento trágico e os milagres, com depoimentos das pessoas que alcançaram graça já estão detalhados em um relatório de 156 páginas, que está sendo traduzido para o latim. O material será encaminhado para o Vaticano para ser avaliado.


ELIZÂNGELA SANTOS

REPÓRTER

Corpo de jovem é exumado para dar início ao pedido de beatificação no CE



Benigna Cardoso é considerada santa na região do Cariri, Sul do Ceará.
Vasto material está sendo catalogado, diz monsenhor que postula causa.

Do G1 CE, com informações da TV Verdes Mares

A Diocese do Crato, no Sul do Ceará, espera a permissão do Vaticano para iniciar o pedido de beatificação de Benigna Cardoso da Silva, a menina considerada santa na região do Cariri. Para iniciar o processo, os restos mortais da adolescente foram exumados na última sexta-feira (27), lacrados em uma urna e serão levados para a matriz de Nossa Senhora de Santana do Cariri, cidade onde nasceu Benigna.

Há dois anos, o monsenhor Vitaliano Mattioli veio do Vaticano para o interior do Ceará, onde representa a diocese do Crato como postulador da causa de beatificação da jovem Benigna Cardoso que, de acordo com os relatos dos moradores de Santana do Cariri, preferiu ser assassinada a “pecar”.

Postulador da beatificação, Mattioli explica que o processo para reivindicar a beatificação ainda não começou. “Nós devemos esperar a permissão da casa dos santos, da congregação dos santos
no Vaticano. O bispo já enviou a carta e agora nós estamos esperando a resposta. esperamos que vá chegar em pouco tempo”. De acordo com ele, quando a resposta chega positiva, é sinal de que o Vaticano não houve nenhum problema para abrir o processo. “Nós, oficialmente, em uma grande celebração, vamos abrir”, disse.

Mesmo aguardando a resposta do Vaticano, um vasto material já está sendo catalogado para auxiliar no processo. São fotografias, documentos escritos sobre Benigna Cardoso da Silva, assim como artigos publicados em jornais e revistas. “Ela preferiu morrer, mas não pecar”, alegou.

O trabalho do monsenhor está concentrado na elaboração de uma biografia sobre Benigna. Obra que também será importante no processo de beatificação da jovem. “Porque, evidentemente, os funcionários do Vaticano não sabem, não conhecem”, disse.

Para isso, ele espera apresentar a vida dessa pessoa, o trabalho que ela fez, como se comportou na vida. “No caso de Benigna, é muito importante apresentar o martírio dela, para não pecar, para ser fiel à lei de Deus”, disse.

Vittaliano Mattioli já publicou 17 livros sobre histórias da Espanha e da América, assim como questões familiares. Foram publicadas em italiano e traduzidas para espanhol, inglês e português. São quase 50 anos dedicados a ordens sacerdotais onde muitos conhecimentos foram adquiridos por meio de leitura de obras clássicas e contemporâneas.

 

Fonte: G1 Ceará / TV Verdes Mares